A Torre Negra – Vol. I "O Pistoleiro"

“O homem de preto andava pelo deserto, e o pistoleiro seguia atrás”

 

 

Em 2008 foi lançado aqui no Brasil o conjunto completo com os Sete volumes do grande romance de Stephen King “A torre negra”. História essa que o renomado autor escreve desde o ano de 1970. É muito trabalho, muita reescrita e muita ideia sendo mudada e podada ao longo dos anos. Mas está aqui já é considerada a sua “opus magnum”¹, e não existe duvidas a respeito do carinho e dedicação que o autor injetou nesse projeto arrojado, afinal de contas, até o ultimo ponto final do sétimo livro foram gastos 33 anos em escrita.

Em 21 de fevereiro de 2012, foi lançado um oitavo livro da série, intitulado “The Wind Through the Keyhole”, ainda sem tradução para o português².

A história tem como base muito produto do bom, como o incrivel universo que J.R.R. Tolkien e no poema épico escrito por Robert Browning Childe Roland à Torre Negra Chegou do século XIX. Como também em cenários do “Far west”³ e elementos da cultura Pop mundial, como o próprio H.P. Lovecraft.

Ainda não li todos os livros, mas estou agora embarcado na história de vez, e pra quem ainda não se interessou pelo conteúdo, ou não faz questão do mesmo (“#chatiante”) postarei aqui pequenos ensaios de resenhas sobre o conteúdo dos livros, um por um. Deixando em aberto, é claro, a opção de um debate por que quem não concordar com o ponto de vista que alcançarei.

O primeiro Livro (que foi o único que li ainda) foi e é até hoje o mais popular de todos os 7 (agora 8). King começou a escrevê-lo enquanto estudante de inglês na Universidade do Maine onde fazia uma modesta participação com a coluna “King’s Garbage Truck” para o jornal estudantil, o Maine Campus. Foi ali também que conheceu sua futura esposa, a salvadora de “Carrie” Tabitha Spruce4..

Em março de 1970, Stephen King começou a escrever quando tinha apenas 19 anos, tendo como inspiração os livros de J. R. R. Tolkien e filmes de caubóis do Velho Oeste. Os cinco capítulos do livro foram primeiramente publicados na revista The Magazine of Fantasy & Science Fiction:

  • “The Gunslinger” (Outubro de 1978)
  • “The Way Station” (Abril de 1980)
  • “The Oracle and the Mountains” (Fevereiro de 1981)
  • “The Slow Mutants” (Julho de 1981)
  • “The Gunslinger and the Dark Man” (Novembro de 1981)

Foi a sua obra mais importante de toda a franquia como o próprio afirma, e o inicio de uma sequencia que que ganhou muita fama (até mais que seu próprio nome).

A Torre Negra Vol. I – The Gunslinger.

 

O “Pistoleiro” apresenta ao leitor o fascinante personagem de Roland Deschain, último descendente do clã de Gilead, e derradeiro representante de uma linhagem de implacáveis pistoleiros desaparecida desde que o Mundo Médio onde viviam “seguiu adiante”. Para evitar a completa destruição desse mundo já vazio e moribundo, Roland precisa alcançar a Torre Negra, eixo do qual depende todo o tempo e todo o espaço, e verdadeira obsessão para Roland, seu Cálice Sagrado, sua única razão de viver. O pistoleiro acredita que um misterioso personagem, a quem se refere como o homem de preto, conhece e pode revelar segredos capazes de ajudá- lo em sua busca pela Torre Negra, e por isso o persegue sem descanso. Pelo caminho, encontra pessoas que pertencem a seu ka-tet – ou seja, cujo destino está irremediavelmente ligado ao seu. Entre eles estão Alice, uma mulher que Roland encontra na desolada cidade de Tull, e Jake Chambers, um menino que foi transportado para o mundo de Roland depois de morrer em circunstâncias trágicas na Nova York de 1977. Mas o pistoleiro não conseguirá chegar sozinho ao fim da jornada que lhe foi predestinada. Na verdade, sua aventura se estenderá para outros mundos muito além do Mundo Médio, levando-o a realidades que ele jamais sonhara existir. Inteiramente revista pelo autor, esta primeira edição brasileira de “O Pistoleiro” traz também prefácio e introdução inéditos de King. (sinopse skoob)

 

Eu li esse livro no ano de 2008 (sim, sou piolho, assim que saiu no Brasil eu fui atrás) era um então juvenil estagiário em administração interessado em uma obra que mais ouvi falar do que os próprios grandes romances bazucas.

Não era tão engajado pra a leitura quanto sou hoje (tá que só se passaram 4 anos) mas foi um dos livros que mais me estimularam a continuar com esse vicio que não tem nada de ruim. Naquela época também a grana era curta, e eu não tinha uma submarino, com fazendo superpromoções “exclusivas”.

Roland é um personagem bem complexo, nada que o primeiro livro me deu um espaço para dizer que “sim, o conheço”. Não é um personagem clichê, e é extremamente duro, suas emoções e as  das personagens que vão aparecendo no caminho são puramente humanas, nada de super heróis, humanas.

 

Existe também uma montagem incrivelmente foda em H.Q.’s do primeiro livro, ou melhor, da história até então de Roland Deschain (vulgo “o pistoleiro) que honestamente não tive a oportunidade de ler (sou pobre e não se acha pra emprestar) não posso dizer que vale a pena com a minha própria experiência, mas pelo o que já escutei a respeito, a animação é de ótima qualidade e o roteiro é fantástico. Uma resenha ótima deles está disponível aqui http://www.mixliterario.com/2012/03/resenha-tripla-hqs-torre-negra.html

Há boatos ainda que esteja para ser filmada uma adaptação cinematográfica, mas muito dos rumores, é claro, partem de lentas “interneticas” lançadas por fãs desesperados. Mas nem tudo é mentira, Javier Bardem foi selecionado para o papel do Roland. Apesar de ter sido noticiado que Christian Bale (“O Cavaleiro das Trevas“) seria o novo concorrente ao papel principal em “A Torre Negra“, não demorou muito para que o ator fosse superado. Segundo o Deadline, o estúdio universal (no qual mantém o direito de produção do filme)  ofereceu o papel do pistoleiro Roland Deschain ao espanhol Bardem, que já estava na lista de candidatos.

Ele deve assinar um contrato para três filmes e uma série de TV que funcionarão da seguinte forma: Terminada a primeira parte da trilogia, será feito um pequeno segmento para TV que agirá como ponte para o segundo filme, e depois dele será feito outro segmento, que servirá como um “pré” da trama e será seguida pelo terceiro e último filme. O roteiro é de Akiva Goldsman (“Uma Mente Brilhante“) e a direção será de Ron Howard (“Frost/Nixon“). *cine rapadura*

 

  Estou entrando agora na leitura do segundo volume (A escola dos três), breve eu espero ter mais conteúdo sobre o pistoleiro solitário.

1: “Opus Magnun” é um termo referente a obra máxima de um artista.

2: “The Wind Through the Keyhole” É um lançamento a parte, o livro abordará os eventos do Ka-tet, entre “mago e vidro” e “Lobos de Calla”, quarto e quinto livros da série.
3: Far West, trocadilho referente ao “oeste distante” ou “oeste longínquo” (faroeste).

4: Tabitha Spruce a ainda namoradinha de King foi a única que acreditou que a história de “Carrie” tivesse algum potencial, depois do autor jogar os rascunhos no lixo e desistir da história, ela literalmente catou do lixo e o fez continuar com o trabalho.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s