Privilégios e Outras Histórias – Gus Morais

Como qualquer pessoa da nossa geração frequentadora da “interwebs”, tenho no meu top 5 de atividades para procrastinar ler tirinhas (e entendam que eu estou excluindo os memes dessas categoria). Os temas necessariamente envolvem humor ou críticas e frequentemente uma mistura dos dois. E por mais sagaz que seja, é quase sempre muito fácil: crítica ao outro. É engraçado porque a critica é direcionada ao políticos, àquelas pessoas considera das comuns/desinteressantes, enfim, todas as coisas que você não faz e jura que não faria sob hipótese alguma. E raramente é possível ter uma noção de quem está por trás daquilo: pode ser qualquer um alimentando o seu ego enquanto ridiculariza as atitudes (muitas vezes por si só ridículas) dos outros.

Mas eis que em um dos meus momentos de procrastinação, eu conheci o Gus Morais. E foi a primeira vez que me interessei por quadrinhos propriamente ditos: as histórias sempre ocupavam mais que uma tela ao invés dos clássicos três quadrinhos. Mas o que realmente me chamou a atenção foi outra característica: eu não estava rindo dos outros. Na verdade, os sorrisos que as histórias me arrancavam tinha mais uma conotação nostálgica do que de humor. E dessa vez, não era mais sobre as pessoas “comuns”. Estranhamente, as histórias pareciam contar um pouquinho de mim. E quando eu não me identificava, eu via alguns dos meus amigos, as pessoas mais interessantes que eu conheço.

É uma sensação incrível, porque ao invés de me ver subindo em um pedestal de orgulho e arrogância por ser diferente do restante da população, eu sabia que não era a única a estar me identificando com aquilo: eu era apenas mais uma. E cada história me despertava uma emoção diferente: às vezes eu me sentia triste, às vezes batia uma saudade, e às vezes me sentia compreendida. E quando a carapuça serve, eu me sinto uma hipócrita, uma egoísta de sentimentos comuns. Mas nunca me senti ofendida, e acho que é esse o ponto alto do Gus Morais: a sensação é que ele é uma espécie de melhor amigo, compreensível, mas extremamente honesto.

Privilégios

“Privilégios e Outras Histórias” é o primeiro livro publicado pelo Gus Morais, ainda recentemente, em 2012. É composto por 30 histórias publicadas no blog desde 2010 e mais 4 exclusivas para o livro. Além disso, o livro foi publicado de forma independente e o Gus Morais arcou com todas as despesas com a gráfica, e o livro é tão bonito e bem feito que é muito mais digno do que muito livro publicado por grandes editoras.

Logo na parte de apresentação, já é possível se sentir próximo do autor: enquanto ele explica o por quê do título, ele conta um pouco da sua vida e a relação com seu pai (que pode ser vista em sua história também batizada de “Privilégios”,  e que finaliza o livro, aqui). E daí em diante são histórias incríveis e profundas, e ainda que sejam várias histórias independentes, é bem difícil não ler o livro inteiro de uma vez.

Deixo aqui uma das histórias do livro a título de ilustração: não é nem de longe a melhor, escolhi uma que exemplificasse bem a minha descrição, mas que também não fosse extensa demais para o post. Espero que, assim como o Gus Morais escreveu na dedicatória do meu livro, “que este amontoado de pixels te traga bons momentos de prazer, sonho e reflexão”.

Denominador Comum

Para quem quiser conhecer melhor o trabalho do Gus Morais, pode acompanhar em seu site, Quadrinhos de Gus Morais, onde também é possível adquirir o livro em sua loja virtual.

Além de seu site, também é possível acompanhar o Bytes de Memória, onde estão as tiras semanais publicadas na Folha de São Paulo. Essas tiras são temáticas, fazendo uma reflexão da nossa vida com toda essa parafernália tecnológica. O título, assim como do livro, veio de uma história publicada anteriormente, com o nome de Por Uns Bytes de Memória, que eu, como uma pessoa integrada à “interwebs” desde os primórdios, considero a minha preferida.

3 responses to “Privilégios e Outras Histórias – Gus Morais

  1. Os quadrinhos dele, que por sinal foram apresentados por você, me fazem lembrar de uma coisa que tinha me dito um tempo atrás. Algo como, "não importa o quanto se ache fora do eixo, fora de órbita, você sempre será um ser humano" – Somos todos falhos. Gosto muito dele. Ainda vou comprar esse livro.

    • O livro por si só vale muito a pena, a qualidade é excelente e o preço completamente justo. Inicialmente comprei pra dar incentivo mesmo, devido ao trabalhão que ele teve com o livro, mas acabou se tornando um dos preferidos da minha estante.🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s